CONHEÇA AS TRÊS HABILIDADES QUE PERMITIRÃO A GERAÇÃO MILENNIAL SE DESTAQUE NA LIDERANÇA

No início da década de 2010, a internet foi inundada com artigos debatendo o papel da geração do milênio no ambiente de trabalho. Argumentos foram feitos a favor da contratação dessa geração e de dar a eles a chance de se destacar em posições de liderança. Outros discordaram, falando que a geração do milênio era muito jovem para essas responsabilidades e ainda não estava pronta para gerenciar ou assumir a liderança.

O mundo mudou drasticamente nos últimos 10 anos. Não é mais possível escrever coisas novas sobre a juventude millennial porque essa geração envelheceu e está agora em seus trinta e poucos anos. As pessoas mais jovens consideradas millennials têm 24 anos.

Muitos millennials podem se lembrar das dificuldades de se formar durante a Grande Recessão e de encontrar um emprego como graduados. No entanto, o momento mais marcante na vida profissional de qualquer millennial – e para a Geração Z, a próxima geração subindo na carreira – será a pandemia de Covid-19.

A maneira como trabalhamos se transformou da noite para o dia, permitindo que os funcionários se motivem e gerenciem uns aos outros sem estar no escritório. A incerteza da Covid-19 também abriu o caminho para que muitas pessoas, de todas as gerações, adotassem o empreendedorismo.

Em um tempo sem precedentes, a geração do milênio conseguiu sobreviver e prosperar, graças a certas habilidades que os permitem permanecer resilientes e ágeis como líderes e até mesmo como empreendedores. 

Para agora e para o futuro, essas são as habilidades necessárias para que a geração do milênio se destaque em posições de liderança:

1. Inteligência emocional

Nosso mundo em mudança tem refletido silenciosamente o valor da inteligência emocional, e um alto QI nem sempre é sinônimo de desempenho superior no local de trabalho. A inteligência emocional argumenta que os indivíduos que possuem quatro habilidades essenciais são, na verdade, mais capazes de experimentar o sucesso e satisfação em seu trabalho do que aqueles que não têm. 

Quais são essas quatro habilidades principais?

  • Autoconsciência: essa é a capacidade de compreender e estar ciente de suas emoções;
  • Autogerenciamento: ao compreender suas emoções, você é capaz de desenvolver competência pessoal. Dessa forma, você pode direcionar seu comportamento de maneira positiva.
  • Consciência social: além de compreender suas próprias emoções, a consciência social permite que você capte as emoções dos outros. Isso ajuda a desenvolver competência social e entender o que está acontecendo em qualquer circunstância.
  • Gestão de relacionamento: as interações, desde a maneira como você se envolve com os clientes até a colaboração com os colegas de trabalho, são mais bem gerenciadas como resultado de captar a consciência encontrada em suas emoções e nas emoções dos outros.

 

Você pode estar lendo isto e se sentindo animado porque possui as quatro habilidades essenciais. Se você não possui inteligência emocional, no entanto, ainda é possível desenvolvê-la. Nossos cérebros têm o que é conhecido como “plasticidade”. Sempre que aprendemos novos conceitos, as células cerebrais crescem e desenvolvem novas conexões; na verdade, até 15.000 conexões podem ser feitas em uma única célula do cérebro. Essas conexões têm a capacidade de se ramificar e alcançar outras células, fazendo continuamente milhares de novas conexões.

No longo prazo, isso nos permite desenvolver hábitos emocionalmente inteligentes. Essa condição dá aos millennials, em funções de liderança, a capacidade de serem mais empáticos uns com os outros, fornecer assistência quando há contratempos e inspirar uns aos outros a mostrarem-se e darem o melhor de si. O mesmo pode ser dito dessa geração em papéis empreendedores, pois eles têm a capacidade de procurar outros indivíduos que também possuam inteligência emocional e contratá-los para ingressar em suas respectivas equipes de negócios.

2. Comportamento ágil

O que vem em mente quando você pensa em alguém de natureza ágil? Quando ouço essa palavra, tendo a pensar em empreendedores. Possuir uma abordagem ágil significa ser flexível e fluido. Os millennials entendem que há momentos em que precisam seguir um roteiro, e também há momentos em que o roteiro deve ser descartado e reescrito.

Quando o inesperado acontece, como uma pandemia global, tudo muda por necessidade. Existem novas necessidades do cliente a serem atendidas. Simplesmente não é viável agir como se nada fora do comum estivesse acontecendo. A geração do milênio que trabalhou durante a Covid-19 provavelmente será capaz de se lembrar de pelo menos um momento em que precisou de inovar em seus processos existentes para concluir tarefas.

Felizmente, o comportamento ágil não é totalmente sem precedentes. A geração do milênio passou por grandes mudanças. Eles entendem que uma das chaves para superar tempos de incerteza é abraçar a essa incerteza e estar dispostos a agir de maneira ágil. 

Compreender como descartar um plano inteiramente, escrever um novo do zero e, em seguida, agir junto com a equipe é uma habilidade incrivelmente valiosa para levar adiante após a pandemia.

3. Conectividade

Existem outras características que eu poderia ter listado neste terceiro espaço? Certamente. Eu poderia ter falado sobre como a natureza inovadora da geração do milênio permitirá que eles aprendam novos conceitos e se adaptem. Ou eu poderia ter enfatizado a sempre popular característica milenar de ser experiente em tecnologia.

Em meio à crise de saúde pandêmica está uma crise de saúde mental. Funcionários em todo o mundo experimentam altos níveis de depressão, ansiedade e esgotamento. Em outra linha do tempo, muito parecida com o já mencionado início de 2010, você veria artigos on-line sobre liderança inovadora sobre como evitar o esgotamento no trabalho . Agora, tornou-se um problema duradouro que é impossível ignorar.

A geração do milênio prioriza as pessoas. Se um colega está agindo mal ou parece deprimido, eles serão os primeiros a perceber. Eles também estarão entre os primeiros a tentar oferecer ajuda. “O que eu posso fazer?” e “Você está bem?” são dois exemplos de perguntas que farão. As respostas os ajudarão a chegar à raiz do problema e fornecer suporte.

E é esse tipo de apoio que importa em todas as gerações. Independentemente de como será o local de trabalho no futuro e com que rapidez retornaremos a um estilo de vida “normal”, o que será para sempre normalizado será o apoio, o cuidado e a preocupação com a equipe de trabalho.

Se você gostou desse artigo, deixe um comentário abaixo!

Um forte abraço.

José Paulo!

*José Paulo Pereira Silva é Ceo do Grupo Ideal Trends, é casado, pai de três filhos e está nas mídias sociais como @josepaulogit, onde compartilha experiências de vida e modelos de gestão. José Paulo já treinou milhares de pessoas no Brasil e no mundo. Dá dicas sobre leituras, inspiração, negócios, estratégias, marketing, vendas e outros conteúdos relevantes para quem quer se tornar referência no mercado onde atua.

Deseja receber a MELHOR orientação Pessoal ou Profissional GRATUITAMENTE?

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

José Paulo Pereira

José Paulo Pereira

José Paulo Pereira Silva, CEO do Grupo Ideal Trends, é um dos maiores empresários no ramo da tecnologia na América Latina. Empreendedor serial e mentor de negócios, José Paulo já formou mais de uma centena de líderes, deu oportunidade a mais de uma dezena de sócios e, por meio de seus direcionamentos, transforma diariamente pessoas simples e dedicadas em empresários de grandes resultados.
advanced divider
Quer transformar sua vida e negócio?

    advanced divider