INTROSPECÇÃO: 5 MANEIRAS DE REFLETIR E VIVER FELIZ

Acho que todos concordamos que poderíamos ser um pouco mais felizes em nossas vidas, especialmente quando estamos isolados dos outros e no meio de uma pandemia global. Embora assistir Netflix, fazer caminhadas, fazer exercícios e bater papo por vídeo com amigos tragam momentos de felicidade, eles parecem temporários e passageiros.

No final do dia, quando colocamos nossas cabeças no travesseiro, ainda estamos presos em nossa própria mente, às vezes ruminando pensamentos negativos e com o nosso constante julgamento de que: “você não é o suficiente”. Então,  no outro dia acordamos e repetimos tudo de novo. Você é assim também?

A boa notícia é que existe uma prática simples que pode te ajudar! A introspecção, auto-observação, e a atenção plena podem, na verdade, aumentar a sua felicidade de uma forma permanente.

O que é introspecção?

Para começar, temos que definir e entender a palavra “introspecção”. A introspecção é um processo pensante e analítico. É o processo deliberado de reflexão. Nós apenas não fazemos isso porque, francamente, não é fácil e dá trabalho.

As pessoas muitas vezes estão no estado de reação e ego e não param realmente para refletir. Eles estão nublados por emoções e são incapazes de ver as coisas com clareza. Para que a introspecção seja útil e eficaz, é necessária autoconsciência e a capacidade de colocar o ego e a necessidade de estar “certo” de lado.

A introspecção sozinha não é suficiente

A introspecção usa muitas perguntas do tipo “por que”. “Por que estou com raiva?” “Por que me sinto assim?” com o objetivo de compreender a si mesmo. O problema disso é que nos mantém presos em nossa própria perspectiva e, muitas vezes, no passado.

A introspecção também não tem uma direção clara de onde poderia ir, dependendo do que você está olhando, como está olhando e para onde está olhando.

Portanto, se a introspecção por si só não ajuda, do que mais precisamos? Um toque de atenção plena!

O que é atenção plena?

Existem muitas definições para atenção plena, mas eu a defino como consciência do momento presente, sem julgamentos. A atenção plena abre nossas mentes para observar nossos pensamentos e sentimentos, reconhecendo-os e aceitando-os sem julgamento. Para simplificar, não se trata de mudar seus pensamentos ou emoções, mas de percebê-los e aceitá-los como são.

Então, como isso ajuda exatamente?

Deixe-me começar dizendo que a atenção plena é uma prática, o que significa que não é um comportamento automático que fazemos. É uma prática que requer prática. É uma habilidade que pode ser aprendida e, na verdade, não leva muito tempo.

Atenção plena é a prática de chamar a atenção para a emoção que surge, não identificando-a como parte de si mesmo, mas simplesmente percebendo-a e ficando curioso. Quando há curiosidade, não há espaço para julgamento.  Quando não há julgamento, a aceitação é muito mais fácil de seguir.

É algo engraçado. Quando não estamos tão presos à nossa perspectiva e obscurecidos por nossas emoções, abre-se um horizonte de possibilidades. Podemos ver as coisas como um observador, nos afastar de nossa identidade da emoção, do sentimento intenso, e podemos dar um passo para trás. Quando podemos fazer isso, a emoção não tem mais controle sobre nós.

Cinco maneiras de praticar a auto-introspecção

Você pode estar se perguntando: “Ótimo! Mas como eu faço isso?”. Existem alguns pontos-chave a ter em mente para prepará-lo para o sucesso.

  1. Configure o seu ambiente ideal

Como mencionei antes, “atenção plena é uma prática” e requer prática. Pense nisso como os ensaios antes do “grande show” ou os treinos de futebol antes do jogo decisivo.

Quando praticamos algo, progredimos e nos preparamos para “o grande jogo ou o grande show”, que é a sua vida. Embora a atenção plena não exija necessariamente sentar e meditar por 30 minutos por dia, isso definitivamente nos ajuda a treinar para ficarmos quietos. Quando você está quieto, você está com você mesmo, sua mente e pode praticar a observação dos pensamentos, dos sons e das sensações.

Isso requer um espaço tranquilo, sem distrações ou estímulos, onde você possa ficar sozinho e não ser perturbado. Alguns ruídos ou sensações são inevitáveis, mas tentar meditar, refletir sobre si ou pensar sobre as coisas enquanto as crianças estão correndo, a TV berrando ou as pessoas conversando não é o ambiente ideal.

Você precisa ser criativo. Se tiver dificuldade em ficar sentado, faça uma meditação andando. Se você se sentir preso, estar na natureza e ao ar livre de alguma forma nos ajuda a voltar à quietude.

  1. Registre em um diário

O registro no diário é subestimado. Se você der uma olhada nas pessoas mais bem-sucedidas do mundo, líderes de pensamento e empreendedores como Oprah, Warren Buffet, Einstein e muitos outros, todos eles têm isto em comum: eles escrevem em diários.

O registro no diário tem muitos benefícios, incluindo aumentar a consciência e melhorar a memória, a autoconfiança, as habilidades de comunicação e a auto expressão. Também nos ajuda a manter a organização, o controle e a motivação.

  1. Use palavras e frases positivas

Frequentemente nos identificamos com nossos sentimentos como se eles fossem quem somos. Dizemos coisas como “Estou com raiva”, o que nos mantém identificados com a emoção da raiva, tornando difícil deixá-la ir.

Não somos as emoções que experimentamos, mas sim o experimentador de nossas emoções. Embora a gente entenda isso em conceito, nossa linguagem e as palavras que usamos perpetuam a identificação da emoção.

Se quisermos usar uma linguagem que seja congruente com nossas crenças de que não somos nossas emoções, bem como uma prática comum de atenção plena, podemos usar frases como “Percebo que estou sentindo raiva”. Isso permite uma perspectiva quase igual a de uma terceira pessoa e desconecta você da emoção.

  1. Faça perguntas capacitadoras

Fazer uma pequena mudança em como você se pergunta enquanto faz a auto-introspecção faz uma grande diferença. Em vez de se fazer perguntas do tipo “por que”, faça perguntas do tipo “o quê”.

Em vez de perguntar “por que estou com tanta raiva?” pergunte “o que é isso que estou sentindo?” “O que eu noto?” “Com o que exatamente estou chateado?” Veja como isso abre possibilidades?

Fazer perguntas do tipo “por que” também tem um senso de julgamento subjacente. Fazer perguntas do tipo “o que” abre a possibilidade de compreensão, empatia e compaixão em um nível mais profundo.

  1. Concentre-se no bem por um pouco mais de tempo

Um estudo de psicologia do relacionamento realizado por John Gottman, da Universidade de Washington, descobriu que são necessárias pelo menos cinco interações positivas para compensar apenas uma negativa. Isso significa que as interações ou pensamentos negativos têm geralmente cinco vezes mais impacto do que os positivos. 

Rick Hanson Ph.D., psicólogo e autor de Buddha’s Brain: The Practical Neuroscience of Happiness, Love, and Wisdom , tem um ditado: “A mente é como Velcro para experiências negativas e Teflon para experiências positivas.”

Ruminando o negativo, fortalecemos as vias neurais para a negatividade e tendemos a ver o mundo sob essa luz. Aposto que você conhece pessoas que estão sempre reclamando, negativas, pessimistas e abatidas sobre o mundo. Felizmente, não precisa ser assim. Podemos neutralizar isso simplesmente absorvendo o que é bom por um pouco mais de tempo. Podemos literalmente mudar os neurotransmissores em nosso cérebro para procurar coisas boas.

E é assim que podemos começar a reconectar nossos cérebros para positividade, alegria, gratidão e, no geral, nos tornarmos uma pessoa mais feliz.

Conclusão

A introspecção não vem naturalmente. É até difícil de fazer se você não tiver a mentalidade certa. Isso torna a auto-introspecção ou atenção muito mais difícil. No entanto, se você seguir os pontos que escrevi neste artigo, será muito mais fácil para você desbloquear a mentalidade necessária.

Se você não está tomando nenhuma atitude para mudar sua vida agora, é provável que viva a mesma rotina pelo resto do tempo. Talvez a vida seja incerta para você agora, mas você é capaz de retomar o controle de sua vida!

Se você gostou desse artigo, deixe um comentário abaixo!

Um forte abraço.

José Paulo!

*José Paulo Pereira Silva é Ceo do Grupo Ideal Trends, é casado, pai de três filhos e está nas mídias sociais como @josepaulogit, onde compartilha experiências de vida e modelos de gestão. José Paulo já treinou milhares de pessoas no Brasil e no mundo. Dá dicas sobre leituras, inspiração, negócios, estratégias, marketing, vendas e outros conteúdos relevantes para quem quer se tornar referência no mercado onde atua.

Deseja receber a MELHOR orientação Pessoal ou Profissional GRATUITAMENTE?

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

José Paulo Pereira

José Paulo Pereira

José Paulo Pereira Silva, CEO do Grupo Ideal Trends, é um dos maiores empresários no ramo da tecnologia na América Latina. Empreendedor serial e mentor de negócios, José Paulo já formou mais de uma centena de líderes, deu oportunidade a mais de uma dezena de sócios e, por meio de seus direcionamentos, transforma diariamente pessoas simples e dedicadas em empresários de grandes resultados.
advanced divider
Quer transformar sua vida e negócio?

    advanced divider